O programa Ponto MIS, uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Ilha Solteira, por meio do Departamento de Cultura, a Fundação Cultural de Ilha Solteira e o Museu da Imagem e do Som de São Paulo, retoma suas atividades neste mês de abrilO projeto volta a exibir filmes gratuitamente toda quarta-feira, a partir das 20 horas, no Cine Paiaguás. Neste retorno, o Ponto MIS promoverá, a partir da próxima quarta-feira, 11, o Festival do Cinema Nacional, com a exibição dos filmes “Que Horas Ela Volta?”, “TOC – Transtornada Obsessiva Compulsiva” e “O Vendedor de Sonhos”.

O Festival do Cinema Nacional do Ponto MIS será aberto na quarta-feira, 11, a partir das 20 horas, com a exibição do longa “Que Horas Ela Volta?”, de Ana Muylaert. Um dos filmes nacionais mais premiados da atualidade, o longa conta a história de Val (Regina Casé), uma mulher de Pernambuco que vai para São Paulo, deixando para trás sua filha, Jéssica, com o avô. Ela se torna empregada doméstica em uma casa de família de classe alta onde ela cuida do filho de seus patrões, Fabinho. Treze anos depois, sua filha decide ir a São Paulo para fazer um vestibular, na mesma época que o filho do casal, e pede apoio a mãe, esta acreditando em uma segunda chance para um melhor relacionamento entre as duas. A classificação é 12 anos.

Já na quarta-feira, 18, o Ponto MIS exibe “TOC – Transtornada Obsessiva Compulsiva”, com a atriz e comediante Tatá Werneck. No longa, Kika K. (Tatá Werneck) é uma celebridade idolatrada por milhões de fãs. Por trás das aparências, no entanto, as coisas não andam nada fáceis. Em crise com sua vida pessoal e profissional, Kika precisa lidar com um fã obsessivo (Luis Lobianco), o namorado galã sem noção (Bruno Gagliasso), e os compromissos profissionais marcados pela exigente empresária (Vera Holtz). Classificação 14 anos.

Encerrando o mês de abril, a atração será “O Vendedor de Sonhos”, em cartaz no dia 25. O filme de Jayme Monjardim, baseado na obra de Augusto Cury, traz Júlio César (Dan Stulbach), um psicólogo decepcionado com a vida em geral e que tenta o suicídio, mas é impedido de cometer o ato final por intermédio de um mendigo, o “Mestre” (César Troncoso). Uma amizade peculiar surge entre os dois e, logo, a dupla passa a tentar salvar pessoas ao apresentar um novo caminho para se viver. Classificação 12 anos.